Seguidores

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

VIDÊOS DE EVENTOS

Polícia prende acusados de roubo, invasão de domicilio, porte de arma e carcere privado, no Sítio Maciel


Por ocasião da operação saturação que ocorria no sítio Maciel, zona rural de Guarabira, feita pela Polícia Militar,  por volta das 22h desta sexta-feira (22), uma moradora informou que três indivíduos portando arma de fogo havia invadido a sua residência e roubado alguns pertences (aparelhos celulares), no que as guarnições seguiram diligências naquelas imediações objetivando localizar e prender os meliantes, nova solicitação ao copom foi feita por outro morador da localidade dando conta de que esses criminosos se encontravam no interior de outra residência, mantendo os moradores como reféns.
A PM foi até a residência indicada e fez um cerco policial, iniciando as negociações com os três elementos, dois deles menores de idade que mantinham cinco pessoas como reféns dentro da casa. Após uns vinte minutos de negociação a PM conseguiu que o primeiro refém fosse libertado, passados mais alguns minutos a liberação de mais dois reféns, vindo em seguida a liberar o quarto refém e mais alguns instantes liberaram o quinto e último refém, todos da mesma família.
Os policiais renderam o trio de criminosos e apreenderam as armas que estavam sendo utilizadas por eles. Foram apreendidas duas armas de fogo de fabricação caseira, tipo espingarda, sendo uma delas de calibre 12 e uma outra de calibre indefinido, seis celulares, setecentos e trinta e dois reais em cédulas e vinte reais em moedas, sete relógios, três perfumes, três pares de tênis, um par de sandálias quatro mochilas, uma nécessaire vermelha, quatro conchas de cozinha, uma caixa amplificada pequena, dois estojos de maquiagem, duas caixas de sabonete e uma lanterna.
Com os reféns salvos, sem lesões e com os objetos subtraídos recuperados, bem assim com os criminosos detidos, sendo um maior de idade e dois menores infratores, um de 15 e outro de dezessete anos, foram apresentados ao delegado plantonista para lavratura dos atos flagrâncias.

3
0 Comentários

Postar um comentário