Seguidores

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

VIDÊOS DE EVENTOS

Preso homem apontado como chefe da quadrilha que atacou PB1



O homem apontado como chefe da quadrilha que foi responsável pelo ataque ao PB1 está entre os cinco suspeitos presos na tarde desta segunda-feira (10/09), pela polícia em um flat na orla de Manaíra.
Em uma ação conjunta realizada pelas Polícias Militar e Civil, 10 pessoas suspeitas de envolvimento com a fuga dos presos do presídio PB1 foram detidas com armamento, incluindo um fuzil americano, na orla de João Pessoa. Alguns dos suspeitos detidos já eram investigados por outros crimes, e pelo menos um deles já tinha dois mandados de prisão em aberto.
O grupo detido à tarde foi abordado durante uma ação do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar e do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil, que receberam informações sobre vários suspeitos que estavam hospedados em um flat na praia de Manaíra.
“O Mastroianni Leonel Santos, de 26 anos de idade, tem mandados pelo crime de assalto a carro-forte, este ano, em Campina Grande, e estava foragido”, revelou o secretário de Segurança e Defesa Social, Claudio Lima. Michel Silva Lisboa, de 28 anos, também tinha um mandado pelo crime de roubo, e Jorge de Souza Neto, com 30 anos, é suspeito de assalto e responde por uma tentativa de homicídio, na cidade de Sumé.
Outros dois suspeitos foram presos. São eles: Carlos Emanuel dos Santos Marques, 28 anos, que teve participação no assalto aos Correios de Alcantil, mas conseguiu quebrar o regime e estava foragido; e João Batista Medeiros Souto, 30 anos, que ainda não tinha passagem pela polícia. Todos os suspeitos elencados são de Campina Grande ou atuavam naquela região.
Além deles, cinco mulheres que estavam com o grupo foram detidas.
Com os 10 suspeitos foram apreendidas duas pistolas, um revólver e um fuzil americano, além de munições e carregadores, que podem ter sido usados nas ações criminosas. Também foi encontrado com o grupo um fardamento camuflado. Todos os presos foram encaminhados para a sede do GOE da Polícia Civil, onde seriam ouvidos, autuados e a participação deles no ataque e em outros crimes será investigada.

3
0 Comentários

Postar um comentário