Seguidores

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

VIDÊOS DE EVENTOS

Alunos fazem vaquinha e presenteiam professor que está sem salário há dois meses
single-image

sala de aula, na terça-feira (15). O momento foi filmado e postado na rede social do professor, e o vídeo viralizou.
Substituindo uma professora de licença médica há cerca de dois meses, Bruno Rafael precisou ficar alojado na escola, já que a família vive no Crato e, com os trâmites burocráticos da licença e o atraso dos salários de abril e maio, ele ficou sem condições de se manter sozinho em Brejo Santo, onde não tem parentes nem amigos.
“A licença fica se renovando, e todas as vezes é essa burocracia. Trabalhei um mês e meio e achei que ia receber, mas quando olhei a conta não tinha nada. Aí comecei a ficar preocupado, perdido”, conta Rafael.
Ao saber da situação, os estudantes da turma de 1º ano de Edificações realizaram uma rifa, juntaram o valor de R$ 400 e organizaram uma surpresa para presentear o professor. No vídeo gravado pela turma, Rafael se mostra sem jeito ao ler as mensagens escritas pelos adolescentes, e depois, ao receber a caixinha com o presente. “Fiquei travado, espantado mesmo com a atitude”, diz.
A turma, de alunos entre 14 e 16 anos, agradece o professor pela paciência e se desculpa “por dar tanto trabalho”. O docente se emociona com o gesto e, chorando, recebe um abraço coletivo dos estudantes. “Dali comecei a ficar nervoso, a tremer, chorei e eles me abraçaram. Enquanto eles me abraçavam, eu tremia.”
Respeito ao professor
Rafael lembra casos violentos contra professores em salas de aulas pelo país e diz que, mais do que receber o dinheiro, a homenagem dos estudantes foi o que mais surpreendeu. “A gente vê muito o oposto, aluno querendo enfrentar e bater em professor. Quando aconteceu isso fiquei muito feliz de verdade”, declara.
Segundo ele, o alcance do vídeo também foi importante para “tocar pessoas no Brasil que estavam precisando acreditar de novo”.
“São alunos como eles que me fazem ainda acreditar na educação do país, acreditar no amor ao próximo, na compaixão de se colocar no lugar do próximo, e acreditar, principalmente, no respeito e amor do aluno para com o professor de sua escola”, reforça.
Atraso no pagamento
O diretor da escola, Cícero Pereiro, explica que o professor já consta na folha de pagamento, mas um atraso no processo de licença da outra professora ultrapassou o prazo para liberação do salário.
“Ele chegou aqui em março pra tirar a licença de uma professora que está com problemas de saúde. O contrato foi formalizado no dia 20. Por causa da data, o salário não entrou no primeiro mês. Quando abriu pro mês seguinte, não tinham liberado a licença da professora, por isso não caiu. Mas é um caso isolado. Em junho o salário dele entra”, afirma o diretor.
Cícero também garante que ninguém na instituição sabia da surpresa organizada pelos alunos. “Foi surpresa pra todo mundo, os alunos não deixaram nem que outros professores percebessem”, conta.
Sem conhecidos na cidade, Rafael foi acolhido na escola, onde dorme durante a semana. Às sextas-feiras, volta para o Crato, onde a família vive. Ele descreve Brejo Santo como um local acolhedor. “Desde que cheguei naquela escola eles abriram os braços pra mim, só tenho a agradecer a todos. A comunidade inteira é muito acolhedora. Os que me ajudaram não são únicos, são reflexo de muitos. Que isso seja inspiração.”
G1

3
0 Comentários

Postar um comentário