Seguidores

ECONOMIA

CUITEGI

FOTOS

EMPREGOS

VIDÊOS DE EVENTOS

'Pensei que ia morrer', diz menor ameaçado por policial armada

'Ela balançava a arma e pensei que ia disparar', conta adolescente.
Caso foi em Itapetininga; Conselho de Direitos Humanos vai investigar.


adolescente de 16 anos que foi ameaçado por uma policial militar armada em frente a uma escola de Itapetininga (SP), na terça-feira (29), contou em entrevista ao G1 que pensou que a policial ia atirar nele quando a viu sacar a arma de fogo. “Fiquei muito assustado. Na hora eu pensei que ia morrer e que a policial ia atirar, pois ela ficou balançando a arma. Única coisa que pensava era que poderia disparar a qualquer momento. Além disso, eu também ouvi um som como se fosse de gatilho. Fiquei com muito medo. Foi desnecessário ela ter feito isso.”
Estudante de 16 anos ficou na mira da arma da policial militar (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)Estudante de 16 anos ficou na mira da arma da
policial militar (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)
O adolescente diz que não fez nada para causar a reação na policial. "Tinha acabado de chegar na escola para buscar minha namorada. Estava encostado no muro e a policial já falava com outros estudantes. De repente, ela veio para cima dizendo que eu tinha 'cara de bandido'", afirma.
No vídeo, a PM dá a entender que o menor falou algo que a irritou. (Veja o vídeo e a transcrição abaixo)
O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) informou que abriu nesta quarta-feira (30) uma investigação sobre o caso e investigará se houve violação de Direitos Humanos, como abuso de autoridade, ameaça e constrangimento ilegal.
Segundo o órgão, serão enviados ofícios à corregedoria da PM, à ouvidoria da polícia e ao diretor do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter) de Sorocaba (SP). Por fim, o Condepe afirma que funcionários estarão nos próximos dias em Itapetininga para ouvir as partes e saber como estão as investigações.
Ainda segundo o adolescente, ele deseja que a militar seja punida. "Eu quero que ela seja punida pelo que fez e que seja afastada das atividades policiais", ressalta.
Momento em que a policial saca a arma para ameaçar estudante (Foto: Reprodução/ TV TEM)Momento em que a policial saca a arma para ameaçar estudante (Foto: Reprodução/ TV TEM)
Mãe do adolescente registrou boletim de ocorrência da ameaça (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)Mãe do adolescente registrou boletim de ocorrência
da ameaça (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)
'Não esperava isso da polícia'
A mãe do adolescente registrou nesta quarta-feira (30) um boletim de ocorrência na Polícia Civil contra a policial por abuso de autoridade e ameaça. Para ela, a atitude da militar é revoltante. A Polícia Militar informou que está apurando a abordagem da agente. 
“Fiquei indignada e revoltada com a atitude dela. Não esperava isso da polícia, que é uma instituição que sempre ajuda as pessoas. Eu achei que ela passou do limite ao colocar a arma na cara do meu filho. Como meu filho ficou com medo de sofrer perseguição policial, fizemos um boletim de ocorrência na Delegacia de Defesa da Mulher e vou procurar também o Conselho Tutelar para a proteção dele. O meu desejo é que ela seja punida ou chamada a atenção. Ela não pode ficar ameaçando adolescentes dessa maneira”, conta a mãe.
Tenente Coronel Marcelo Amaral afirma que a Polícia Militar irá investigar o caso (Foto: Reprodução/TVTEM)Tenente Coronel Marcelo Amaral afirma que PM
irá investigar o caso (Foto: Reprodução/TVTEM)
Investigação
Segundo o tenente coronel do batalhão da Polícia Militar em Itapetininga, Marcelo Amaral Oliveira, a Polícia Militar vai investigar o caso e punir a policial, caso constatado erro de abordagem. Nesta quarta-feira (30), a policial foi ouvida na corregedoria da Polícia Militar em São Paulo para prestar esclarecimentos.
“Nós vamos primeiro verificar que tipo de agressão que esse garoto fez contra a policial para ela ter tomado esse tipo de abordagem. A princípio foge totalmente do nosso procedimento operacional padrão. Se for constatado que houve falha operacional, ela pode ser punida administrativamente. Nós temos vários tipos de punições, que vão desde uma advertência até uma prisão aquartelada, em que a pessoa fica no quartel no horário de folga”, explica.
saiba mais


Conselho Tutelar
Para o presidente do Conselho Tutelar, Clayton Roberto Soares, independentemente do motivo, a ação policial pode ser considerada como crime. “A agressão é vista como um crime, tanto como agressão física como psicológica. O menor teve os direitos violados”, diz ele.
Ainda segundo Soares, assim que a família acionar o Conselho Tutelar, o órgão vai trabalhar oferecendo acompanhamento psicológico ao adolescente. “Ele tem que ser acompanhado por uma avaliação psicológica, assim como os pais, para vermos quais os danos psicológicos que o adolescente sofreu”, explica.
Entenda o caso
Uma policial militar foi flagrada mostrando a arma a um adolescente e o ameaçando nesta terça-feira (29), em frente à Escola Estadual Modesto Tavares de Lima, em Itapetininga. Alguns alunos que acompanhavam o caso fizeram vídeo e enviaram as imagens à redação da TV TEM.
Batalhão da Polícia Militar afirma que abrirá investigação sobre ameaça (Foto: Reprodução/ TV TEM)Batalhão da PM afirma que abrirá investigação
sobre ameaça (Foto: Reprodução/ TV TEM)
No vídeo é possível ver a PM montada em uma motocicleta e avançando contra o adolescente encostado no muro. A policial aparenta estar nervosa. Após a abordagem, ela saca a arma e afirma: “Já viu isso aqui? (mostra arma) Sabe para que presta isso aqui? Mexe com polícia, seu bosta!.”
Alunos que testemunharam o caso contaram à equipe da TV TEM que a policial tomou a medida após jovens “tirarem sarro” da PM depois que a motocicleta dela parou de funcionar na rua.
Já a policial não quis dar entrevista. O superior imediato dela, o capitão João Paulo de Miranda, afirmou ao G1 que ela alegou agir desta forma após ser ameaçada pelo jovem que estava com outros três adolescentes.
“Ela me contou que passava de moto pela rua no horário de almoço quando quatro adolescentes gritaram para ela que era fácil ‘trinca-la’, ou seja, mata-la por ser mulher. Ela disse ainda que o grupo gritou que sabia que ela passava por aquela rua com o filho. Depois disso é que ela invadiu a calçada e agiu daquela forma, segundo ela”, diz o capitão.
A Diretoria de Ensino de Itapetininga afirma que não concorda com a atitude da policial e que irá comunicar o Ministério Público (MP) e pedir esclarecimentos à PM com um ofício.
Confira a transcrição do vídeo:
Policial: Tá vendo essa mulherada aí, ó? Cê quer vir pagar de gatinho pra essa mulherada, aí ó? Seu trouxa do c...!
Testemunha: Ele acabou de chegar (rindo).
Testemunha: Escuta.
Policial: Vai mexer com polícia, seu b...? Vai mexer? (avança com a moto)
Jovem: Eu acabei de chegar.
Policial: Vai mexer com polícia? Está pensando que eu sou trouxa, é? (avança contra ele)
Jovem: (fala inaudível)
Policial: Está pensando que eu sou trouxa? Já viu isso aqui? (mostra arma) Sabe para que presta isso aqui? Mexe com polícia, então, seu b...!
Jovem: Mas eu não mexi com ninguém.
Policial: Não, fui eu! Aqui o murro na sua cara, ó. Mexe! Mexe! Se eu passar aqui de novo e cê mexer comigo eu dou um tiro na sua cara, seu b...!
Muro onde confusão aconteceu fica em frente à escola (Foto: Reprodução/ TV TEM)Muro onde confusão aconteceu fica em frente à escola (Foto: Reprodução/ TV TEM)
tópicos:
3
0 Comentários

Postar um comentário